Líderes criticam logística de MT para escoamento da safra

Dois dos principais líderes ruralistas de Mato Grosso, o deputado federal Homero Pereira e o presidente da Federação da Agricultura de Mato Grosso – FAMATO, Rui Prado, teceram duras críticas ao governo federal devido à precariedade do sistema logístico do estado, situação esta que repercute diretamente no escoamento da safra 2009/10. Eles estiveram em Nova Mutum nos últimos dias para compromissos com lideranças do agronegócio.
Rui Prado é enfático ao afirmar que Mato Grosso vive um apagão rodoviário. Ele cita como exemplo a situação caótica verificada na BR-163/364, na serra do Tombador, município de Nobres. “O transporte tem ficado paralisado por várias horas devido a pequenas reformas, quando no local faz-se necessário sim uma duplicação da rodovia”, comentou.
Segundo ele, isso onera muito os custos de produção. “Quem paga por isso não são apenas os produtores rurais, mas toda a população. Tudo o que se colocar em cima de um caminhão com destino ao Estado, chega mais caro. Toda nossa produção de grãos é onerada, pois o frete é inflacionado devido à precariedade das rodovias”, falou.
O ruralista disse ainda ter esperança de que o próximo presidente da República, dependente de quem for, faça investimentos em infra-estrutura para resolver o problema. “O governo tem se mostrado muito ineficiente. A história tem demonstrado isso. Os investimentos são canalizados para o Sul e o Sudeste. O Cento-Oeste, que vem dando as melhores respostas para a balança comercial e na geração de empregos, não é assistido”, afirmou Prado.
Homero Pereira destacou, ao Só Notícias/Agronotícias, que a produção agrícola brasileira migrou para a região Centro Oeste do Brasil, mas a infraestrutura não. “Usamos a mesma lógica de transporte de 20 anos atrás, ou seja, embarcar a soja em caminhões e levá-los para os portos de Santos e Paranaguá. A ferrovia parou no município de Alto Araguaia e apenas agora que a pavimentação da BR-163, até Santarém, está sendo retomada”, falou.
“Precisamos de novas alternativas e praticar o transporte multimodal, usando as ferrovias e as hidrovias, a exemplo da Teles Pires/Tapajós, do Juruena, da Paraguai/Paraná, Araguaia/Tocantins. Só vamos superar os problemas crônicos que existem na logística, se forem feitos investimentos pelo governo federal”, disse.
Homero participou de uma reunião, no sindicato Rural, ontem à noite. Prado também visitou o presidente do sindicato, Alcindo Uggeri, hoje. Ambos destacaram tratar-se apenas de visitas de cortesia.(Fonte: Só Notícias/Marcio Uhde, de Nova Mutum)


Pesa

    AAPA     Jan de Nul     Antaq
             

Tche Digital

 

 

Hidromares

 

  Sinaval   Assine Portos e Navios