MSC

Artigo - A utilização de sistemas de onshore power supply: sustentabilidade ambiental e melhoria da relação porto-cidade

O principal meio de transporte para o comércio global é a navegação mercantil, respondendo por cerca de 90% do share mundial de logística, com uma frota superior a 100.000 navios (OCDE, 2024). Juntos, esses navios consomem cerca de 7 milhões de barris de petróleo por dia, o que acaba provocando o indesejado efeito das emissões de gases poluentes na atmosfera.

Estima-se que a navegação mercantil seja responsável por cerca de 3% das emissões globais de CO2, sendo projetado para o ano de 2035 um total de 1 bilhão de toneladas desse gás emitidos pelos navios.

Considerando que a navegação mercantil começa e termina em um porto, é fácil perceber que uma parte dessas emissões de gases acaba afetando a qualidade de vida nas cidades portuárias, contribuindo para deteriorar a relação porto-cidade.

PUBLICIDADE


Neste estudo se faz uma reflexão acerca do tema, numa tentativa de contribuir para a busca de mais efetividade na redução dos impactos negativos que a atividade portuária provoca nas cidades que sediam portos e, com isso, melhorar a qualidade de vida de sua população, por meio da redução das emissões de gases poluentes na atmosfera e do barulho produzido pelos navios em suas operações no porto.

Fabiano Ramalho é advogado, mestre em Direito pela UFSC e consultor portuário. Foi CEO do Porto de São Francisco do Sul (SC) e diretor de Assuntos Regulatórios e Jurídicos da SC Participações e Parcerias S/A – SCPar

Acesso à versão integral do artigo em PDF - clique aqui.

 

 



Intermodal

      GHT    Antaq
       

 

 

Anuncie PN

 

  Sinaval   Assine Portos e Navios
       
       

© Portos e Navios. Todos os direitos reservados. Editora Quebra-Mar Ltda.
Rua Leandro Martins, 10/6º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ - CEP 20080-070 - Tel. +55 21 2283-1407
Diretores - Marcos Godoy Perez e Rosângela Vieira