Kepler Weber aumenta participação de mercado e disponibilidade de caixa

Em um ano marcado pela crise econômica global, o Grupo Kepler Weber (KEPL3) fechou 2009 com um prejuízo de R$ 3 milhões. Apesar da queda de faturamento de 33% (R$ 250,9 milhões contra R$ 374,5 milhões em 2008), o resultado foi levemente melhor do que no ano anterior, quando o prejuízo somou R$ 3,3 milhões. O EBITDA (resultado antes de juros, impostos, depreciações e amortizações), em 2009 foi de R$ 1,3 milhões.

A crise internacional é apontada pela direção do Grupo Kepler Weber como a grande dificuldade do ano passado, pois afetou a demanda pelos produtos da companhia. De acordo com o balanço divulgado hoje (18/03), as receitas de exportação registraram em 2009 uma redução de 56% em comparação com 2008, enquanto o mercado interno teve um decréscimo de 23%. “No caso da Kepler Weber, que vinha de um período de reestruturação recente, a maior preocupação foi preservar o caixa, atravessando a crise sem necessidade de novos recursos financeiros”, destaca o Diretor Presidente, Anastácio Fernandes Filho.

Mesmo com a queda de faturamento, o Grupo Kepler Weber ao longo do ano de 2009 aumentou suas disponibilidades financeiras, que chegaram a R$ 75,9 milhões, contra R$ 62,7 milhões em 2008. “Apesar do movimento menor, conseguimos aumentar a disponibilidade em 21,2%, mesmo tendo realizado um investimento de R$ 11 milhões com recursos próprios”, afirma o Diretor Financeiro, Nolci Santos, que também ressalta a redução de 9,29% da dívida líquida, de R$ 101,7 milhões em 2008 para R$ 92,3 milhões em 2009. Durante a divulgação dos resultados de 2009, o diretor salientou a melhoria do resultado do quarto trimestre do ano, que, no entanto, não superou a baixa performance do primeiro semestre.

O Grupo Kepler Weber conseguiu manter a liderança do mercado brasileiro de armazenagem, com um crescimento de 2 pontos percentuais no market share, alcançando 50% em 2009. A empresa trabalhou no aprimoramento de sua linha de produtos e lançou a linha KW Fazenda, que visa atender os médios e pequenos produtores. Além disso, está concluindo o projeto de especialização das plantas de Campo Grande/MS, que passará a produzir toda a linha de secadores, e de Panambi/RS, que será responsável pela industrialização dos demais produtos da empresa.

Com base na perspectiva de safra de 140 milhões de toneladas de grãos no Brasil e na necessidade adicional de capacidade de armazenagem, a companhia acredita que no ano de 2010 terá um volume de negócios superior ao de 2008.  (da Redação)

 

PUBLICIDADE

Portonave


 


Pesa

    AAPA     Jan de Nul     Antaq
             

Tche Digital

 

 

Anuncie PN

 

  Sinaval   Assine Portos e Navios
             
             

Metalock

AAPA

Bombando

Error: No articles to display