Navalshore 2024

APM Terminals e DP World lideram iniciativas para acelerar a transição energética em operações portuárias

As empresas elaboraram um roteiro claro para incentivar a eletrificação das operações portuárias no prazo de dois a oito anos, como resultado de pesquisa sobre o uso de equipamentos elétricos voltados à movimentação de contêineres

A APM Terminals e a DP World anunciam nesta quinta-feira (26) uma iniciativa para acelerar a descarbonização dos terminais portuários em todo o mundo por meio da eletrificação dos equipamentos voltados à movimentação de contêineres (CHE). A iniciativa baseia-se em estudos que demonstram que a transição de CHEs para versões elétricas, movidas a bateria, pode ser alcançada nos próximos dois a oito anos, com a adesão das empresas que atuam nos diversos elos do setor.

Os resultados da pesquisa e o guia para a eletrificação de CHE são temas de um white paper ao setor, já endossado pelo Porto de Kalundborg, Eurogate e Smart Freight Centre.

O chamado Container handling equipment (CHE) é uma classe de equipamentos essenciais às operações portuárias, utilizados para movimentar contêineres dentro e fora dos navios, nos 940 portos de contêineres do mundo. Em 2020, a frota global de CHE permitiu o transporte de 815 milhões de TEUs, com valor total de US$ 8,1 trilhões. Estimada entre 100 mil e 120 mil unidades, a frota global de CHE é responsável pela emissão de cerca de 10 a 15 milhões de toneladas de dióxido de carbono por ano (escopo 1 e escopo 2).

A pesquisa constatou que os desafios que dificultam a adoção do CHE elétrico movido a bateria podem ser superados. O ponto de inflexão para a substituição de CHE a diesel por CHE elétrico, movido a bateria, como a opção mais econômica, atraente e acessível, pode ocorrer nos próximos dois a oito anos, desde que as partes interessadas do setor adotem as medidas agora.

A carta aberta com o estudo identifica as principais alavancas e ações relacionadas, que podem ser tomadas pelos participantes de toda a cadeia de valor, incluindo operadores de terminais, fabricantes de equipamentos, autoridades portuárias, entidades governamentais afiliadas e operadores de linhas de navegação.

"Sendo claro: precisamos acelerar a nossa agenda de descarbonização e precisamos fazer isso agora. Tenho o prazer de anunciar que a pesquisa que realizamos, em conjunto com a Systemiq e a ZenMo, confirma que o ponto de inflexão para a eletrificação do CHE está ao nosso alcance, ainda nesta década. Agora, estamos solicitando ações para que todo o ecossistema portuário acelere em direção a esse marco. É importante que nos unamos e tomemos medidas concretas, em conjunto a vários players do setor, para que isso aconteça", afirma Keith Svendsen, CEO da APM Terminals.

PUBLICIDADE

Ecobrasil


"Os equipamentos elétricos movidos a bateria nos portos são uma maneira realista, viável e econômica de reduzir drasticamente as emissões de carbono. Ao longo de minha carreira, vi muitos participantes do setor falarem sobre vários métodos para alcançar o net zero, mas nunca fiquei tão convencido da capacidade de uma iniciativa de acelerar a descarbonização. Espero sinceramente que as conclusões do white paper possam ser usadas por todo o setor para estimular mudanças reais com os CHEs elétricos", comenta Tiemen Meester, COO de Portos e Terminais da DP World.

A pesquisa mencionada prevê uma série de ações que podem ser tomadas para atingir esse ponto de inflexão, incluindo tornar a operação net zero uma exigência, como parte das novas concessões de portos, e ter os operadores de terminais e fabricantes de equipamentos trabalhando juntos, para aumentar a demanda. Além disso, os fornecedores podem trabalhar para desenvolver ainda mais suas cadeias de suprimentos e padronizar determinados componentes, com o apoio dos operadores de terminais.

"Essencialmente, o que queremos é proporcionar um local de trabalho mais saudável, mais limpo e mais eficiente para as milhares de pessoas que trabalham nos terminais e vivem nas comunidades ao redor deles. E, embora a eletrificação dos equipamentos de manuseio de contêineres seja apenas uma peça do quebra-cabeça, acreditamos que é uma parte que pode ser abordada de forma relativamente mais fácil e rápida do que outras, se trabalharmos juntos e evitarmos complexidades desnecessárias", diz Sahar Rashidbeigi, diretor global de descarbonização da APM Terminals.



Praticagem

   ATP    GHT    Oceanpact
       

Hidroclean

 

 

Países Baixos

 

  Sinaval   Assine Portos e Navios
       
       

© Portos e Navios. Todos os direitos reservados. Editora Quebra-Mar Ltda.
Rua Leandro Martins, 10/6º andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ - CEP 20080-070 - Tel. +55 21 2283-1407
Diretores - Marcos Godoy Perez e Rosângela Vieira